domingo, 7 de junho de 2009

Branding para pequenas empresas

Para aqueles que estão se introduzindo no mundo do empreendedorismo, o design de marca pode parecer algo distante ou simplesmente caro para o momento, já que os impostos e as taxas devoram grande parte do orçamento criativo de que se dispõem estes corajosos salvadores da economia nacional, nos primeiros anos de atividade.

Mas ouçam: o design pode ser decisivo para seu negócio dar certo. E a pergunta surge: Será que estou fazendo isso certo?

O mais importante para um design de marca é identificar, informar e conectar. E mesmo que não seja feito por um “designer profissional” ele deve seguir certas regras para não se tornar um problema de comunicação para a empresa.

Menos é mais.

Esta é a primeira regra, menos informação é absorvida mais rapidamente. Uma imagem é melhor que um texto, uma palavra é melhor que uma frase, e por fim, uma cor é melhor que cinco.

Na hora de criar, seja simples, não use letras rebuscadas e ornamentos que só enfeitam e nada dizem. Uma marca deve ser direta, forte e elegante por mais despojado que seja o seu ramo de negócio.

Outro cuidado, muito importante, porém deixado de lado pela maioria dos queridos entusiastas do desenho, é a aplicação da marca. Estou falando em como a marca aparecerá num ícone e depois em um outdoor ou ainda no baú de um caminhão. Como irá se portar sobre texturas e fundos coloridos?

Agora vamos falar um pouco sobre sua marca nas coisas. Comecemos pelo cartão de visitas, ou “personal card” em inglês. Como o nome já diz, é um cartão pessoal e deve ser usado, em visitas, “reuniões, apresentações pessoais e etc.” e serve simplesmente para dizer “Eis aqui como achar a mim e à minha empresa”. Um cartão bem diagramado e que consiga apresentar algo a mais que o faça ser diferente dos outros três mil da caixinha do seu fornecedor ou cliente será decisivo para a escolha da sua empresa e não a da concorrente. Capriche no papel, no corte e se já tiver uma marca bonita e bem desenhada, será meio caminho andado.

Uma dica preciosa:

Mala direta: não envie, a menos que seja muito, mas muito necessária de forma que não haja outra maneira. Certifique-se que estejam realmente esperando sua mala direta chegar, e que esta será muito bem recebida, caso contrário, não mande, use o dinheiro num novo balcão ou num novo uniforme para seus funcionários. Isso pode funcionar muito melhor que sua mala direta junto com um monte de lixo acumulado em caixas de correio.

O Site.

Mas afinal, o que é isso? Bom, se está pensando em ter um site ou se já tem um, e está refletindo sobre sua real eficácia, a melhor maneira de chegar a alguma conclusão é se perguntar: por que alguém entraria no site da minha empresa?

No começo da internet houve uma explosão de sites cujo objetivo era apresentar a empresa, como num folder institucional online. Esta internet seria um casamento de um vídeo institucional de treinamento com um cartão de visitas todo bonitinho. Bom isso de fato funcionou durante certo tempo como instrumento de divulgação e era um importante diferencial. Já faz uns 15 anos que não é mais assim. O site institucional serve para mostrar o que sua empresa faz, para quem faz, como faz, certo?

Errado! Serve também para mostrar como seus funcionários se sentem fazendo o que fazem, como sua empresa transforma a vida da comunidade em que está inserida, a opinião da sua empresa sobre o futuro, o meio ambiente e até mesmo posicionamento político, mostrar como estão antenados com o mundo e sempre buscando informações que os ajude inovar cada vez mais melhorando o atendimento, seus produtos e a vida como um todo.

Um site pode ser muito mais que um simples casamento sem festa.

Por Leandro Reis

Grupo Anaya

Agência com 9 anos de atuação nas mais diversas áreas da criação.